Trabalho informal: uma saída contra o desemprego?

web jornalismo

O reflexo da crise financeira que vivemos está no grande número de desempregados No Brasil, uma das consequências mais graves da crise é o aumento de pessoas em busca de recolocação no mercado de trabalho.

“São 05h30min minutos de uma manhã chuvosa, preparo um rápido café da manhã e caminho em direção ao ponto de ônibus com destino ao bairro da Lapa zona oeste de são Paulo, é um trabalho difícil filho gostaria de estar empregada em uma fabrica fazendo oque sei que é polimento de metais, mas eu e mais 40 pessoas fomos mandados embora, pois a fabrica estava com dificuldades para pagar os funcionários, e hoje para me manter e dar oque comer para meus filhos vendo doces e salgado na frente do terminal de trem tiro uns $60,00 e no máximo $70,00 reais por dia e tenho o gasto de uns $30,00 reais contando a condução, é dureza, mas é a única maneira que consegui para sobreviver. São palavras de Dona Cida conhecida ambulante do bairro, retratando sua realidade diária para se manter com o desemprego“.

Dona Cida acredita em dias melhores e com a volta de empregos, clama por um auxilio dos governantes, que segundo ela só aumentam os impostos e não se importa com a vida dos trabalhadores, minha vida agora é isso vender o almoço para ter a janta.

Após anos de pleno emprego, fenômeno que alavancou a indústria e comercio no país em meados dos anos 2001 até 2005, vivemos agora uma época de desaceleração na economia, aumento de impostos e falta de trabalho. A crise e o desemprego estão empurrando uma parte grande da população para a informalidade e o subemprego, em decorrência do enorme número de demissões e fechamento de empresas e indústrias muitos pessoas estão enfrentando o problema com trabalhos sem carteira assinada.

Pequenos negócios e bicos são as alternativas destes trabalhadores desempregados, para conseguir manter seus gastos do cotidiano e sobreviver durante este período.
Segundo o professor Anselmo Luiz Dos Santos, do Centro De Estudos Sindicais e Economia Do Trabalho (Cesit) da Unicamp “A informalidade caminha de mãos dadas com o desemprego e o crescimento da subocupação mostra uma piora do mercado de trabalho e uma deterioração da qualidade de emprego, que tradicionalmente ocorrem em época de desaquecimento da economia.

De acordo com o Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística (IBGE), a subocupação cresce em período em períodos de desaceleração da econômica. Dados mostram que em 2003 durante a ultima crise a população de subocupados chegou a um milhão de pessoas. A atual desaceleração não provocou um estrago tão grande, mas já reduziu o numero de pessoas no mercado formal.

A taxa de desemprego subiu  para (8,3%)  o numero representa um aumento tanto em relação aos primeiros três meses do ano(7;9%), quanto na comparação com o segundo trimestre do ano passado(6;8%).Essa taxa de desemprego significa 8,4 milhões de trabalhadores sem emprego.

Para o economista Paul Singer, (Secretário Nacional De Economia Solidária Do Ministério Do Trabalho E Emprego), é necessário esforços mais amplos para combater o desemprego.
Mobilização da sociedade civil e uma ampliação das políticas nacionais de assessoramento técnico, de crédito, de apoio a comercialização e a organização comunitária das finanças, podem contribuir para uma saída autônoma e coletiva organizada pelos próprios trabalhadores desempregados.

Um movimento integrado entre Governo , indústria e trabalhadores é a única maneira de reverter esse quadro que cresce a cada dia, vitimando pessoas e deixando a economia estagnada, todo cidadão tem direito a um emprego digno que supra suas necessidades no orçamento diário, o trabalho informal deve ser tratado como momentâneo e não solução em tempos de falta de emprego.

Edmundo Paschoal é estudante de Jornalismo e faz parte do projeto focas do Jornalismo, do Clube Do Jornalismo, desde 2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s